Documento assinado pelo presidente da Câmara de Vereadores prejudica 226 funcionários efetivos

Home/Documento assinado pelo presidente da Câmara de Vereadores prejudica 226 funcionários efetivos

Documento assinado pelo presidente da Câmara de Vereadores prejudica 226 funcionários efetivos

Na última quinta-feira (30/1), durante sessão extraordinária, realizada na Casa José Pinto de Abreu, foi aprovado o projeto 001/2020, de autoria do Poder Executivo Municipal, que trata de reajuste salarial para todos os servidores públicos da Prefeitura. No entanto, a redação final do referido projeto – assinada pelo presidente da Câmara de Vereadores, Carlos Viégas Júnior – prejudicou 226 servidores efetivos da Prefeitura, que integram o chamado grupo de apoio ao magistério.

Na redação final do projeto, elaborada por Viégas, não consta o anexo VI do projeto, negando, desta forma, o reajuste salarial para mais de duas centenas de trabalhadores.

O prefeito em exercício de Goiana, Eduardo Honório, comentou o caso e assegurou que não permitirá que nenhum servidor seja prejudicado.

“Osvaldinho e eu sempre fizemos questão de valorizar todos os servidores públicos, através de pagamentos em dia e de seguidos reajustes salariais para todas as classes e, também, para os pensionistas e aposentados do Goianaprevi. Nós fizemos um projeto contemplando todos, sem exceção. Infelizmente o presidente Carlos Viégas Júnior assinou uma redação final que prejudicou 226 trabalhadores. Acredito que mais uma vez o presidente da Câmara levou os demais vereadores ao erro. Este fato nos deixa apenas duas hipóteses de interpretação, ou trata-se de uma ação deliberada para prejudicar centenas de funcionários públicos ou de um gravíssimo sinal de incompetência do presidente do Poder Legislativo. E, nenhuma dessas possibilidades é digna do povo goianense”, disse Honório.

O prefeito ainda afirmou que não irá sancionar algo que irá prejudicar centenas de trabalhadores.

Na defesa dos interesses dos servidores, o Poder Executivo, através de sua de sua assessoria jurídica, já entrou em contato com o Poder Legislativo. E, aguarda que a redação final do projeto seja corrigida para que ninguém seja prejudicado pelo erro do presidente da Câmara, Carlos Viégas Júnior.

Janeiro 31, 2020|